Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Viajando’ Category

nuvens

Minha filha Júlia me perguntou: -O que é uma nuvem?

Dentro de meus conhecimentos sobre o assunto expliquei, e na explanação usei a palavra “condensado”.

Enquanto alguns tem suas definições científicas sobre nuvem e outros ainda não tem estas mesmas definições como definitivas, minha filha Júlia se pôs a liberdade criativa sobre as nuvens, o que interessa é que a palavra “condensado”, palavra saborosa, existe e a fez relacionar com algo doce e macio. Tudo a ver com nuvem!

Inspirada pelas nuvens, como tantas vezes fomos nós, ela não se ateve apenas a divagar, mas criou receitas que, em teoria, poderiam compor uma nuvem.


Nuvem Vermelha

nuvem-vermelha

Uma colher de gelatina sabor morango
Uma lata de leite condensado
Uma colher de leite
Modo de preparo:
Misture 60 minutos e leve a geladeira por 24 horas

Nuvem “Preta
nuvem "preta"

Uma clara batida em neve
Três colheres de leite condensado
Uma pitada de nescau
Modo de preparo:
Bata por 60 minutos, depois de batida leve a geladeira por 24 horas.

sorvete-de-nuvem

Devo avisar que estas receitas não foram testadas, mas a imaginação é livre e tem sentidos além dos 5 conhecidos.


Anúncios

Read Full Post »

 

Fazia um bom tempo em que eu não dava as caras por aqui, os dedos nas teclas, os olhos na tela. Masss… Aqui estou novamente, para não deixar criar poeira e teias de aranha nesta página.
Agora em Lan House. Para quem sempre escreveu em casa e de repente teve que se utilizar de um serviço deste sabe bem que não é muito fácil manter uma concentração constante. Portanto se o que eu escrever parecer um tanto retalhado, esquisito, sem nexo, errado gramaticalmente, em concordância nominal ou verbal… Este fato é um dos motivos, mas só um deles, os restantes são motivos internos de minha mente viajante, um tanto desmemoriada por vezes, completamente equivocada em outras.
Além disto… O que ando eu fazendo? Como a maioria das pessoas, umas coisas bem chatas e outras bem legais. Uma das bem legais é que estou participando de um grupo de teatro “ResgatArte”. (Em outro momento falarei mais sobre isto). Muitos projetos para trabalhar nesta área… Arte.
Em minhas passagens por muitos caminhos, o que nunca deixei foi o da Arte, de alguma forma sempre estive perto dela, misturada a ela, tomada por ela, buscando ela… A Arte! Sou muito “arteira”!
A Arte faz parte de mim, faz parte de todos, mas alguns a percebem mais em si mesmos, outros ainda não, eu a percebo em mim e fora de mim e em todo lugar. Como para um místico ou espiritualista que vê o lado espiritual de tudo, a arte assim também é vista por mim e tento expressá-la de alguma forma, às vezes de forma um tanto solitária, como em muitos momentos, aqui mesmo neste meu espaço, ou em momentos em que faço parte de algo. Isto é a maravilha da Arte que nasce e também alcança os solitários como também nasce de grupos para o mundo. Eu sinceramente amo e desfruto destas duas formas, são ambas importantes pra mim … Expressar meu universo interno e me unir a outros para alcançar o nosso universo em comum.
Fazer parte… Ser aceita… Algo muito importante pra mim, não sei se posso dizer, ” importante para todo ser humano”, mas vou arriscar a generalizar… “É importante, imensamente, importante para todo ser humano”.
Mas cada um tem seu jeito de ser e fazer parte…
Falando de forma mais natural, no meu caso, maluca… Quero ser uma estrela, ter meu espaço, meu brilho sem a ninguém ofuscar. Na vida, na arte. Uma mudança afinal, já que antes mais me comparava com um buraco negro como expressei em uma de minhas poesias. “Sou vácuo vivo, buraco negro que tudo consome e nada seleciona, absorvendo a poeira e a montanha, a confusão em mim se amontoa”. Acho que me sinto mais evoluida ou merecedora… Sei lá!
Estrela! Quero ser estrela…Talvez minha cor possa ser diferente e contrastante, talvez indefinida, mutável e imprevisível. Talvez a estrela que reflita as cores das outras que me rodeiam… Espelhada! Ou que reflita a alma dos olhos de quem observa. Certamente cores com nuances infinitas. Que reflita os desejos dos que observam… Brilhos de intensidades mil.
Na… Na… Na… Puts! Isto tudo a lua já faz… Mutável, espelhante, relativa aos desejos de quem observa: astrônomos, bruxos, enamorados, lobisomens, cabeleireiros, pescadores, agricultores, surfistas, parteiras, astrólogos, astronautas, etc; E pelos escritores apocalípticos, românticos, cinematográficos, científicos; Já se fez colorida.
Então não é nada original.
Tá certo! Vou tentar ser menos arrogante, mais sucinta e menos viajante… Ou talvez mais.
Já sei!
Vou fazer parte, ser relativa aos desejos e cores… Brilhante! Memorável! Querida!
Estrela Cadente!… FUI!!!


Isabel Batista 

 

Read Full Post »

Há tardes rosadas alaranjadas (salmon), chamo de amarelas, em que sentimos o ar consistente e leve, um ar dourado fluido como que por fantasias de páginas antigas. Mas sempre frescas pelas ideias que contém ou inspiram com um filtro colorido e mágico com aroma e cor de pêssego.
Tardes em que o céu reflete o sol de tal forma macio e encantado como ambiente para um conto de fadas com palavras de “Feliz pra Sempre” a flutuar.
Tardes isoladas no tempo e espaço, de todas as outras.
Tardes raras e preciosas.
E em algum lugar, com alguém, algo maravilhoso acontece… Talvez comigo ao presenciar tal belo fenômeno e me sentir assim… Como uma borboleta a voar, fazendo parte do cenário. Só assim me imagino encantada o suficiente. Talvez só com as asas de meu pensamento, mas sem duvida elevada e flutuante, sem duvida respirante de tal ar colorido e suave e inspirada a sonhar…

Isabel Batista

Read Full Post »

As formigas são seres que trabalham de forma organizada, socializada, unida. Vivem em prol da sobrevivência da comunidade, formam um organismo inteiro e único com suas organizações, funções, atribuições. Cada elemento desta sociedade vem geneticamente preparado pra sua função específica no formigueiro. Há uma hierarquia que nunca é contestada. Cada um tem seu lugar e função.
A cigarra canta para completar sua mudança, se soltar da casca. Ela passa a maior parte de sua vida enterrada hibernando sob o solo e sai para então “cantar” até se libertar e procriar.
As abelhas como as formigas, são organizadas em uma sociedade onde o trabalho é para o bem comum. Elas saem pelos jardins colhendo o pólen, vão de flor em flor buscando a matéria prima necessária para sua produção, o doce mel. São preparadas pela natureza para isto exercerem com qualidade e perfeição.
As borboletas nada produzem a não ser beleza e encanto, apesar de que também, assim como as abelhas, são úteis na polinização das flores. É ela o símbolo da metamorfose, desde o ovo, larva, crisálida até transformar-se no ser que verdadeiramente é, ou talvez ela seja o que é, enquanto é o que pode ser. Ela é o ser que é de cada fase.

Etc, etc, etc.

A natureza é cheia de mensagens, cheia de lições. Me deixei a observar este pequeno, mas tão cheio de detalhes, mundo dos insetos.

Sendo unidos ou solitários, tem suas atribuições para sua própria espécie, para sua sociedade, para o bem comum mesmo que inconsciente da natureza como um todo. Se fartam com a carne um do outro, alimentam com sua própria vida outra vida, auxiliam na vida coletiva com suas funções pequeninas, com seu trabalho minúsculo mas eficaz e útil. Sem pensamentos como os conhecemos, sem sentimentos, apenas instintos. Nascem, vivem e morrem sendo sempre, simplesmente e exatamente o que são. Não se apaixonam, apenas se unem pra procriar, trabalham pela vida sem nada receber além da vida simplesmente. Nada acumulam para si, não presenteiam individualmente, apenas doam sua vida para todos, seja de sua espécie ou não, seja de seu minúsculo mundo ou do mundo de gigantes que os rodeiam e que geralmente os ignoram. Não pranteiam suas dores apenas as curam como podem, não impõe nem sentem culpa por nada, não planejam apenas executam.
Acho que a isto posso chamar de a complexidade da simplicidade. Falando deste mundo com sua complexidade de diferenças e detalhes, a mensagem que vejo é simplesmente e verdadeiramente… Simplicidade. Ser o que se é. E sendo assim se é útil a si mesmo e aos outros.
Em toda natureza, mineral, vegetal ou animal, terra, fogo, água e ar. A mensagem que agora vislumbro é a simplicidade.
O calor do sol, a chuva, a brisa, a terra e a simplicidade de sua união… o sol aquece a terra, vem a chuva e a molha e a brisa nos traz um delicioso aroma de simplicidade.

Isto é o que quero em minha vida agora, ver as coisas de maneira mais simples, sem tantas complexidades que as vezes eu mesma crio.

Isabel Batista

Read Full Post »

Há momentos em nossas vidas que percebemos o quanto é importante amarmos a nós mesmos e seguir as veredas por onde nosso coração nos guia.
Há momentos em nossas vidas em que temos que nos importar mais com nossas esperanças, com nossa vontade, com nossos sonhos, com nossa busca pela felicidade.
Há momentos em que percebemos que ninguém vai sofrer nossas dores, ser feliz por nós, que ninguém além de nós vai trilhar nossos caminhos e fazer nossas buscas.
Há momentos em nossas vidas em que temos que valorizar o que somos e o que queremos sem nos preocuparmos com o que vão pensar ou sentir os outros.
Há momentos em que temos que fugir da hipocrisia, deixar pra trás a diplomacia, esquecer o mundo e olhar pra dentro de nós.
Há momentos em que precisamos ter intensidade para realizar aquilo que acreditamos, apostar, ter esperanças, encarar, reconhecer e dar o valor.

Há momentos em que temos que assumir nossos sentimentos perante todos, cedo ou tarde para muitos, a mim interessa o agora e daqui pra frente.

Há momentos em que temos que acreditar em alguém e no que nos oferecem, principalmente se o que nos oferecem é mais que ilusão ou virtualidade. E sim a possibilidade de em fim renovar as cores, os aromas, os sabores, as melodias… Renovar a vida com verdade e amor!
Há momentos que em fim temos que dizer…Eu te amo! Pra pessoa certa e tentar…

E este é o momento… Por que a vida é curta, mas o amor é infinito.



Isabel Batista

Read Full Post »

A vida acontece em mundos mágicos,
Onde talvez não sejamos o que somos,
Mas o que queríamos ser.
Mas em fim, talvez sejamos os mesmos,
Sem ao menos perceber.

Os sentimentos fluem em condutos virtuais
Aos olhos de quem não compreende…
Seres tão banais.
Horas perdidas, esquecidas,
Horas ilegais.
Somos lá uma faceta do que somos?
Ou uma criação, simples RPG?
Raivas, frustrações, amizades, carinho, amor.
Tudo lá nasce e morre,
Do êxtase da vitória à dor

Vidas mal dormidas,
Vidas famintas de tudo e em todo lugar viver.
Jogo insólito que a mente invade.
Ser o maior, ser forte.
A si mesmo vencer.
Vidas paralelas,
Ligações instituídas,
Contatos adicionados,
Corações encantados,
Futuros acertados.
Verdades não assimiladas,
Nem sempre descobertas.
Encontros e desencontros,
Enquanto os nossos próprios
“Fazem” que adormecem,
Matamos outros monstros.
Um mundo mágico onde há vida
Experiência adquirida.
Impressões! Expressões!
Onde nos escondemos nos mostrando.
Guerreiros cibernéticos,
Sobre a vida flutuando.
Nem sempre o Mal é o que parece,
Em máscaras de força a sensibilidade transparece.
Nem sempre o que é Dark não tem luz,
Os sentimentos resplandecem.
Às vezes sentimentos renascem,
Às vezes no tempo fenecem.
Mas em todo lugar, virtual ou real…
Vida é vida! Emoções! Ilusões!
A verdade está contida,Em nossos corações.

 

Isabel Batista

 

Read Full Post »

Há uma música que vem de algum lugar,

O calor e a sensualidade de um blues e a mágica e divina força

o encanto que me provoca o canto de Loreena ou Lisa Guerrard.

Vislumbro alguém a se aproximar,

vejo que dança e atrai o meu olhar.

Uma mulher… olhos de fogo, formas excitantes e perversas.

Dançava como se fosse a própria música,

levava a língua nos lábios como se lá sorvesse mel

mas sentisse o sabor e o calor da pimenta.

Seus quadris se movimentam em um primitivo delírio tribal,

acompanhar seu movimento é vertiginal,

Mas ela dança por vezes como a cavalgar,

lenta e ondulante uma dança do ventre original.

Seu colo se expõe e reluz de maciez e suor,

seus seios uma negra noite coroada de estrelas,

uma constelação.

Seu corpo é um universo de sedução…

Me rompe, esmagando o pudor, o tesão.

Guerreira gazela, mulher tigresa, ursa maior do meu ser,

o teu encanto faz meu corpo borbulhar… fascinação.

Todos os líquidos do meu corpo a ebulir.

Ahh… Que saudade senhora minha,

mulher sensualidade,

agradeço por ainda ousar existir.

Talvez a tenha esquecido

deixando-a só nas outras vidas que vivi.

Ela se aproxima e me toma pela mão.

E doce e quente e hipnótica diz trazer meu despertar.

E me seduz e me entrego ao seu bailar.

Ela me toca e sinto-me toda a arrepiar,

Ela é a tocha que no labirinto fui encontrar.

Ela me toma como que para construir o prazer

e sinto a as barreiras do pudor a fenecer.

Dança sensual, alegria plenitude das sensações.

Juntas agora roçando o corpo, unindo o suor,

me entrego a musica que parece me sublimar.

Violinos e tambores no ar a ressoar.

Vou descobrindo sensações nunca sentidas,

algo que me completa, que me faltava…Vida!

Sinto-me tonta, embriagada por ali estar,

com aquele ser que é puro delírio e tesão.

Sinto a isto me unir, agora vejo em mim a sedução.

E me surpreendo de repente,

por em minha vida sempre me tomar

pela menina que nunca quis a pureza abandonar.

Mas ela está permanece, faz parte de mim,

mas sinto algo mais neste momento…Um despertar.

Sinto-me carne, terra, sangue, sensação,

o céu e a terra em infinita comunhão.

O paraíso, o Éden encontro em mim.

Olhos nos olhos, à volúpia eu digo sim.

Não tenho mais medo do sabor, do prazer,

estou livre e pronta pra renascer.

Tocar sua pele é como no deserto se perder

e insaciável de mais tocar se perceber.

Olhar seus olhos é como em um mar negro se afundar,

sentindo o corpo com um milhão de beijos se deleitar.

Sinto meu corpo a banhar-se em quente e sanguínea circulação,

sentindo este movimento da vida, interna em ebulição.

Me entregarei aos prazeres desta carne que antes neguei

Tomarei posse do ser que me esqueci

A maciez dos nossos seios se encontra,

unem-se e se encaixam com perfeição.

Nossas línguas se entrelaçam num beijo sólido e explosivo,

Uma só boca, duas nascentes de sabor, um mar quente e fluido.

Nossos braços são vorazes serpentes

destilando o veneno que mata e sacia a avidez de se tocar,

de pertencer, de se entregar,

sensualmente se enroscando em nossos corpos ardentes.

Sentia o ato de respirar introvertido

… Agora a exalação vem em suspiro.

Nossas coxas vibrando…satisfação.

Nossos centros em movimento sensual, um segundo,

um século de contato vertiginoso,

excitado, exultante, prazeroso.

Sinto meu corpo a de repente sutilizar,

mais leve, vibrando em alta aceleração molecular.

Desejo, sensação, felicidade e emoção…

completa entrega, se apaixonar.

Glória dos sentidos,transformação,

vitória do se amar.

Nossos lábios se abrem ao conhecer,

da língua quente que penetra o nosso íntimo ser

e ali… se perder.

Eretas, intumescidas, úmidas a se entregar, ao gozo pleno,

ao órgão que agora só verbaliza o prazer.

Deleite do néctar do nosso corpo.

Ela entrelaça como se dali fizesse parte, e permanece,

explorando cada contorno, cada dobra,

cada célula que se esconde enrubescida,

ela toma, invade, acarinha atrevida

e onde havia dormência ela ressuscita a vida.

Nossos corpos, mentes explodem como em nova criação,

um big bang de êxtase e paixão.

Nos entregamos e integramos, agora um só ser,

somos uma mulher completa que acaba de nascer.

Agora unida a outra parte de mim, sou completa,

repleta, sou mulher de verdade.

A sensualidade, a parte que faltava, a paixão por mim mesma,

a minha integralidade.

Escondida, abandonada, reconhecida e resgatada.

Me entreguei aos prazeres desta carne que antes neguei.

Tomei posse do ser que me esqueci,

.. O descobri.

Fiz amor comigo mesma e renasci.

Somos uma em perfeita integração

Brotou em fim de minha alma o que faz ferver a alquimia,

a força transmutadora do ser,

o fogo da essência, que faz ao corpo a ela se ligar e aquecer.

A mulher que encontrei em… mim mesma,

veio me trazer o fogo, a sensação.

Uniu-se ao que já sou e me trouxe a revelação.

Comigo mesma, agora estou em plena comunhão.

Com o corpo respeitando a natureza,

em equilíbrio com minha alma e mente,

sempre em busca da divina consciência.


 

Isabel Batista

Read Full Post »